Descubra como funciona e quanto custa o banho de ouro em semijoias

Saber explicar a qualidade de uma semijoia de maneira clara é indispensável para aquelas que desejam ser revendedoras de sucesso. É fundamental que as respostas estejam na ponta da língua — entender o que é banhar a ouro e, principalmente, quanto custa o banho de ouro também é valioso para fechar vendas.

Esse processo químico é muito impactante para dar vida aos acessórios que você está comercializando. Várias pessoas têm curiosidade em saber o que ele significa e o valor desse processo nas peças.

Caso você ainda não saiba qual é o impacto do banho de ouro para o valor das semijoias, continue acompanhando este artigo, pois vamos explicar a você. Boa leitura!

O que é o banho de ouro em semijoias?

Trata-se de uma etapa de produção que tem como objetivo garantir a durabilidade e a beleza dos acessórios. Durante o processo de banho, várias camadas de metais nobres e revestimento químico são sobrepostas. Isso faz com que o molde inicial (em latão) se transforme em semijoia.

Devido à complexidade e à delicadeza desses procedimentos, não é qualquer um que consegue dar o banho de ouro nas peças. Estamos falando de um processo que exige especialização, sendo comandado apenas por empresas com conhecimento específico nesse trabalho e anos de experiência no ramo.

O banho de ouro vai diferenciar uma semijoia de uma bijuteria. As bijuterias não contam com materiais como metais nobres em sua composição, enquanto a semijoia os contém.

Além disso, trata-se de um fator que garante a competitividade das peças, que ficam com a aparência igual à de uma joia. No entanto, as semijoias são muito mais acessíveis, pois não são fabricadas com metal nobre maciço.

O profissionalismo com que cada uma das camadas é inserida e os metais usados são fatores que determinam a qualidade e a estética do acessório que vai chegar aos consumidores.

Como ocorre o processo de banho?

Bom, agora que você já sabe o que significa o banho de ouro, podemos seguir para a sua aplicação prática. Lembramos que o procedimento é também conhecido como galvanoplastia e diz respeito ao uso industrial da eletrólise, a fim de recobrir superfícies metálicas não nobres a partir de uma camada de metal nobre.

Vamos traduzir para o nosso bom português? Podemos resumir assim: trata-se de uma corrente elétrica que passa o ouro dissolvido em uma solução com vários componentes químicos para as peças que estão sendo banhadas.

Continua complicado entender? Então, para assimilar melhor o processo de galvanização, conheça suas etapas a seguir.

Peças brutas

As peças se encontram no estado bruto antes de entrarem no processo de banho. Ou seja: elas estão apenas com a liga-base que as constitui, sem a presença de nenhum metal nobre. Normalmente, essas ligas são feitas em prata e latão.

O latão é o mais comum. A liga metálica é constituída por 70% de cobre e 30% de zinco em média, pois vai variar de acordo com o fabricante, podendo ter menor ou maior maleabilidade (a depender do seu processo).

Desengraxante

Parte fundamental do processo é o desengraxante eletrolítico. Nele, uma limpeza fina nas superfícies metálicas é realizada, permitindo uma deposição livre de manchas e ótima aderência.

Cobre alcalino

Após a etapa de limpeza e tratamento da superfície, o cobre alcalino é a primeira camada que a peça vai receber. A substância garante um excelente nivelamento, com o objetivo de eliminar o máximo possível de imperfeições na superfície da peça que será banhada.

Cobre ácido

Trata-se da etapa em que a peça vai ganhar o seu primeiro acabamento e brilho. É nela que a superfície ficará com o brilho e o acabamento exigidos pelo processo de qualidade da empresa.

Powered by Rock Convert

Aplicação de base antialérgica

O processo apresenta uma ótima resistência à corrosão e é utilizado como substituto do níquel, lembrando que um dos grandes diferenciais do estanho e paládio ser um banho antialérgico. Sua aplicação é indispensável para evitar que aconteça qualquer tipo de constrangimento com clientes.

Pré-ouro

Chegamos à primeira camada de ouro que a peça vai receber. Ela vem logo após o processo de aplicação do paládio, com a finalidade de proteger a peça. Essa é a etapa responsável por garantir uma perfeita aderência ao banho principal.

Banho de ouro

O banho é um processo que garante a camada de milésimos de ouro desejada. Ele produz depósitos com excelente resistência à corrosão e alto brilho, sendo, portanto, o responsável por ditar quanto da substância a peça receberá.

Ter uma linha de produção nessa etapa, com retificadores eletrônicos e infraestrutura de última geração, é imprescindível.

Cor final

O propósito da cor final é determinar um padrão de tonalidade totalmente homogêneo, com excelente resistência a mudanças em função da oxidação e perda de brilho. Isso garante que as peças tenham um padrão de cor, impedindo variações do mais amarelado para um ouro envelhecido, por exemplo.

Camada especial de proteção

O penúltimo processo do banho é a camada especial de proteção, que vai garantir que a peça receba um acabamento recobrindo toda a sua superfície. Trata-se de uma película orgânica aderente e transparente, que confere maior durabilidade.

No entanto, esse processo (conhecido também como “verniz”) é feito de forma eficiente por poucas empresas do ramo. É preciso conhecimento aprofundado, além de maquinários adequados para tal fim.

Secagem

A secagem é o processo final do banho de ouro, no qual as peças serão inseridas em fornos ou centrífugas que eliminam resíduos de água ainda presentes nas peças. Trata-se de uma etapa muito importante para que elas não fiquem com marcas indesejadas.

Quais são os benefícios de investir no procedimento?

Mesmo que as peças não tenham a cor final em ouro, muitas organizações realizam a aplicação de uma fina camada do material durante o processo de galvanoplastia. Isso pode garantir uma alta resistência à corrosão.

O ouro tende a ser muito mais resistente aos efeitos da oxidação das peças e às ações naturais do tempo. Por isso, um banho nas semijoias garante que o material permaneça intacto durante muitos anos.

As peças são mergulhadas em um líquido que faz com que os materiais constituam uma camada inferior a duas micras. Além da qualidade e da resistência das peças que recebem o banho de ouro, o procedimento ajuda as semijoias a terem um brilho incomparável e grande valor estético. Os benefícios, portanto, são:

  • alta durabilidade das peças;
  • maior lucratividade para o negócio;
  • diferencial competitivo no mercado;
  • considerável aumento da resistência.

Que fatores influenciam no custo?

Um dos principais fatores que influenciam no preço do banho é a cotação diária do ouro. Ela é considerada para se chegar a um valor de referência a todos os clientes.

Além disso, o preço do banho de ouro é calculado de acordo com a espessura da camada que vai ser aplicada na semijoia ou, em alguns casos, por peso (quilo). É preciso considerar, ainda, o tipo de processo que vai ser aplicado.

O preço deve ser totalmente coerente e justo, ao passo que a empresa precisa garantir eficiência e qualidade na realização do processo — e consequentemente, um ótimo custo-benefício. É importante contratar uma companhia de confiança, como a Franco Galvânica, para realizar esse processo em seus produtos.

Agora que você já sabe quanto custa o banho de ouro e como funciona todo o processo de banhar a ouro, não perca mais tempo e garanta as melhores vendas no seu negócio!

Quer deixar suas peças mais valiosas e obter resultados satisfatórios? Então, aproveite para entrar em contato conosco agora mesmo e conhecer os nossos serviços!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *